Direção Off Road

Dicas de direção Off-Road. Por Jorge Meditsch.

1. Deve-se dirigir com os polegares da mão para cima e fora do volante, principalmente se o veículo não tiver direção hidráulica. A razão para isso é que se a roda se chocar contra um tronco, um buraco ou uma pedra grande, o volante pode girar violentamente prendendo os polegares e até mesmo quebrando o dedo.
Se achar que vai precisar da tração ou de uma marcha mais reduzida, acione antes que seja necessário. Dirigir no off-road é dirigir sem usar a embreagem.2. Deve-se sair e parar com a marcha engatada. Coloque a primeira marcha reduzida, ligue o veículo e não acelere. Simplesmente deixe o veículo começar a andar lentamente.
O motor vai colocar o veículo em marcha lenta e ficará em marcha lenta sobre obstáculos. Se o veículo morrer, não use a embreagem e ligue o veículo.
Em alguns casos, pode ser necessário acelerar um pouco. Sem a embreagem se tem mais controle sobre o veículo. Há uma exceção à regra anterior: se o veículo estiver muito pesado ou encostado em um obstáculo, e, se o veículo não estiver conseguindo ir para frente e se perceber que a ignição está sendo muito forçada, então, deve-se usar a embreagem para não descarregar a bateria ou queimar o motor de partida. Em um bom veículo off-road, velocidades e potência não são necessárias. As marchas reduzidas e a força do motor em marcha lenta, geralmente fazem o veículo superar os obstáculos.
Tão ou mais importante que qualquer técnica é conhecer as características e limitações do veículo (e do condutor).3. Deve-se ter muita atenção para saber em que direção estão as rodas. Em alguns veículos é interessante colocar um adesivo marcando a parte superior da direção quando as rodas estão alinhadas para frente.
Com a prática se acostuma a contar quantas vezes se girou o volante. Olhar em todas direções e antecipar o terreno a frente é muito importante. Na duvida deve-se percorrer antes o terreno a pé. Planejar passo a passo o caminho que se vai percorrer. Em regiões secas deve-se ter o cuidado para não atear fogo na grama devido ao calor do escapamento.
Ao descer de morros e obstáculos deve-se evitar o uso dos freios, usando sempre que possível o freio motor e sem trocar de marcha. Se ao frear o veículo deslizar, vire o volante para o lado que se está deslizando. Nunca dirija transversalmente, procurando sempre subir ou descer em linha reta, pois o veículo pode capotar. A maioria dos veículos é capaz de vencer subidas e inclinações curtas, mas não morros íngremes e longos. Sempre mantenha as rodas no chão. Veículos off-road não foram feitos para voar e o controle e a tração só é possível com as rodas em contato do chão.4. Deve se dar mais potência ao iniciar a subida. Reduza a velocidade ao se aproximar do topo. Se durante a subida o motor apagar, engate a ré e desça de ré até encontrar um lugar seguro para ligar o motor. Manter-se sempre em movimento e a uma velocidade adequada, normalmente quanto mais devagar melhor. Dirigir rapidamente só dificultará a direção e desgastará o veículo. O impulso certo e suave são as chaves para o sucesso. Ao passar sobre pedras altas deve-se procurar passar com os pneus sobre as pedras e não com elas pelo meio do veículo, pois, as pedras podem danificar o veículo. Se começar a perder tração na areia ou barro, vire o volante para um lado e para o outro, algumas vezes, rapidamente. Isso geralmente permite que os pneus adquiram mais tração e mantenha o carro em movimento. Se perder a tração, pare.
Não deixe as rodas patinarem, pois, isso vai fazer que as rodas afundem ainda mais. Os obstáculos como árvores e valetas devem ser de preferência atravessados em ângulo (o ideal é 45 graus) passando com uma roda por vez sobre o obstáculo. Todos os equipamento de um veículo são importante, mas os pneus afetam todo o desempenho do veículo. Pois os pneus é que estarão em contato com o solo, transferindo toda a ação do veículo para o solo. Todo o veículo é projetado para determinadas funções. Muitos realizam alterações e seus veículos visando melhorar o desempenho. Normalmente isso acaba prejudicando o desempenho do veículo, pois, o veículo é um equipamento altamente complexo em que cada detalhe afeta o conjunto. A indústria automobilística, que é um dos segmentos da humanidade que mais visa o lucro, não gastaria milhões de dólares no estudo e desenvolvimento de um veículo se isso não fosse realmente necessário.
Então pessoas com nenhum ou pouco conhecimento técnico, realizam alterações objetivando um fim especifico e se esquecem de como determinada alteração afeta cada outro detalhe e desempenho do conjunto. Uma das situações mais comuns é a troca dos pneus.Essa aparente simples e segura alteração tem inúmeras conseqüências. Normalmente opta-se por pneus de maior diâmetro. Isso implica numa maior distância do solo, que é interessante, mas diminui a redução das marchas, o que implica numa menor força do veículo para vencer os obstáculos, num menor efeito do freio motor, desloca o centro de gravidade do veículo, que implica num maior facilidade de capotamento (tanto lateral como frontal ou traseira), diminui a capacidade de tração em subidas e decidas já que a projeção do centro de gravidade no solo se vai dar mais para fora do veículo, afeta todos os esforços e geometrias da suspensão, etc.

Pneus: Cuidados Básicos.

Há poucos anos, não havia quem descuidasse dos pneus de seu carro. Não que os motoristas fossem mais cuidadosos do que hoje - o que ocorria é que os pneus davam muito mais trabalho e, por bem ou por mal, vivam sob observação constante.
Os pneus de hoje são mais confiáveis, raramente furam ou apresentam vazamentos e duram muito mais do que os de antigamente. Mesmo assim, eles não devem ser esquecidos. Eles não precisam de muitos cuidados: basta um pouquinho de atenção e eles irão durar mais e, o que é mais importante, contribuir para sua segurança. Afinal, os pneus são responsáveis pelo contato do carro com o chão, pela manutenção da trajetória nas retas e curvas e pela parada nas condições mais variáveis possíveis.Alguns cuidados que você deve tomar:1. Pressão - Não requer nem mesmo muito esforço - aproveite para calibrar os pneus quando rebastecer. Pneus mal calibrados, além de durar menos, provocam aumento no consumo de combustível.
Por causa de uma ou duas libras a menos, você pode perder muito mais do que a gorgeta que dá para o frentista (se é que dá). Pneus mal calibrados também causam problemas de estabilidade, aumentam a distância de frenagem e podem causar acidentes. Use a pressão recomendada pelo fabricante: os engenheiros das fábricas chegam aos números recomendados depois de muitas experiências. Não vá atrás de sugestões de sabe-tudos.
A pressão recomendada é para os pneus frios.
Se não houver uma necessidade premente, evite a calibragem depois de rodar muito. Não se esqueça de que, quando o carro anda com carga total, os pneus precisam de mais pressão. Lembre-se também do estepe, para evitar a mais desagradável das surpresas quando precisar dele.2. Exame visual - Aproveite para examinar o estado da banda de rodagem sempre que calibrar os pneus.
Preste atenção a possíveis desgastes irregulares, que podem ser causados pela pressão incorreta, falta de balanceamento ou alinhamento. Outros possíveis culpados por pneus que se gastam de forma irregular são amortecedores ou braços de suspensão defeituosos.
Se a banda de rodagem estiver mais gasta nas duas laterais, provavelmente você está usando pouca pressão. Se o desgaste for mais acentuado no centro, o problema é pressão demais. Verifique, também, a profundidade dos sulcos. Eles são responsáveis pela dispersão da água ou da areia na pista e garantem a aderência quando elas estão presentes. Os pneus têm indicadores que aparecem quando o desgaste é excessivo.
O ideal é não usar pneus com sulcos abaixo de 3mm de profundidade. Dê uma boa olhada nas laterais, procurando por cortes ou bolhas. Verifique o estado das rodas, que podem provocar vazamentos quando amassadas ou trincadas. As válvulas também são importantes - quando for colocar pneus novos, aproveite para trocá-las.3. Rodízio - É um cuidado básico e quase sempre esquecido.
Faça o rodízio a cada intervalo e no sentido recomendado pelo manual do proprietário de seu carro. É uma boa ocasião para mandar balancear as rodas, também. As rodas de tração, principalmente se esta for dianteira, causam maior desgaste aos pneus.
O rodízio garante, a longo prazo, um desgaste parelho nas quatro rodas.4. Alinhamento - Uma suspensão bem alinhada pode acrescentar anos à vida de seus pneus.
Uma roda desalinhada faz com que o pneu se arraste lateralmente ao longo das retas. Desgaste irregular, pneus que cantam nas curvas e um volante que teima em ficar torto nas retas são sintomas de desalinhamento. Os buracos nas nossas ruas e estradas podem desalinhar a suspensão com muita facilidade, portanto, preste atenção. Alinhar o carro custa bem menos do que um único pneu.

5. Balanceamento - Vibração na direção é o sintoma mais comum de desbalanceamento.
Não faça isso! - Pneus sem câmara não devem ser usados com câmara. É comum borracheiros sugerirem a colocação incorreta de câmaras como forma de faturar algo mais. Os pneus sem câmara têm a superfície interior rugosa e o atrito dela com a câmara provoca furos.
Além disso, pneus sem câmara raramente estouram quando furados, um importante fator de segurança. Não é por acaso que os carros de corrida só usam pneus deste tipo.

imgres
© Feroza Brasil 2014